Seja bem vindo ao site James McAvoy Brasil, dedicado ao incrível ator escocês James McAvoy. James é conhecido por seus papéis em "Os Melhores Dias de Nossas Vidas", "O Último Rei da Escócia", "Desejo e Reparação", "O Procurado", "X-Men" (Trilogia O Início), "Fragmentado" e nos ainda inéditos no Brasil, "Atômica" e "Submergence". Aqui você encontra todas as novidades sobre a vida e carreira do ator. Não deixe de nos seguir nas redes sociais para estar sempre atualizado. Obrigada pela visita!
8 novembro 2017
Postado por Aline   /   Categoria: Entrevista Traduzida, Notícia

Entrevista publicada pelo site ew.com em 06 de novembro de 2017.
Tradução para o site JMBR. Por favor, não reproduza sem os devidos créditos!

Na tela, James McAvoy ajuda crianças confusas e mutantes ameaçadas no papel do professor Charles Xavier na franquia X-Men – mas ele está fazendo sua parte para ajudar as crianças do mundo fora da tela também.

O ator escocês é um dos muitos nomes de A-list para participar da Dramatic Need e Carnegie’s Hall, um evento de uma noite de caridade, The Children’s Monologues. Dirigido por Danny Boyle, a produção mistura apresentações musicais, dança e interpretações dramáticas de monólogos por McAvoy, Daveed Diggs, Gugu Mbatha-Raw, Audra McDonald, Susan Sarandon e Catherine Zeta-Jones.

No dia 13 de novembro, no Carnegie Hall de New York City, The Children’s Monologues apresenta performances baseadas nas histórias de crianças que crescem em Rammulotsi, um pequeno município rural da província do Estado Livre da África do Sul. Crianças foram convidadas a descrever um dia que nunca esqueceriam, uma lista impressionante de escritores premiados incluindo Tom Stoppard, Neil LaBute e Jack Thorne, então, adaptados para o palco. O rendimento da noite beneficiará diretamente a Dramatic Need e Carnegie Hall.

Boyle desenvolveu o evento em conjunto com a Dramatic Need e usou sua mistura única de performance, arte visual, música e dança (como em exibição na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Londres de 2012) para levar as histórias ao palco. Boyle dirigiu anteriormente duas iterações em Londres no Old Vic Theatre em 2010 e no Royal Court Theatre em 2015. Esta é a primeira vez que o evento será encenado nos Estados Unidos.

Como já foi feito anteriormente, os monólogos também serão apresentados na África em 13 de novembro. Anteriormente realizado em Rammulotsi, desta vez serão apresentados no Market Theatre em Johannesburg com um elenco feminino de toda a África, bem como por crianças no município local na África do Sul rural.

Dramatic Need é uma instituição de caridade dedicada ao uso das artes criativas para ajudar as crianças a abordar problemas de trauma e desenvolvimento. Trabalhando na África do Sul e em Ruanda, os voluntários usam o drama, a arte e o cinema para encorajar as crianças a se abrirem sobre assuntos difíceis, como consciência do HIV, violência étnica e muito mais. Através do programa, os jovens são encorajados a contar a história de “um dia em que nunca se esquecerão”, que se tornará monólogos em The Children’s Monologues.

McAvoy, que anteriormente participou da noite de monólogos na Royal Court em 2015, conversou com a EW sobre por que ele queria fazer parte do evento, qual é o seu monólogo e por que ele voltou.

EW: Em primeiro lugar, como você se envolveu?

James McAvoy: É uma espécie de resposta chata realmente. Amber Sainsbury, que dirige a instituição de caridade, ela entrou em contato com meu agente do nada. Eu conheci alguns atores que já fizeram isso anteriormente, Benedict Cumberbatch e alguns outros, e eles me contaram sobre isso. Quando Amber entrou em contato e realmente explicou o que a instituição de caridade faz, soava não apenas como uma coisa boa, mas uma ótima coisa que realmente sinaliza com o que faço para ganhar a vida. Parece ser realmente fácil, apoiando uma instituição de caridade que usa a atuação, o drama e o desempenho, para não apenas contar histórias e divertir, mas ter realmente um efeito catártico ou terapêutico sobre alguém que sofreu trauma incrível.

Qual é o seu monólogo (adaptado por Amy Jephta e inspirado pela inscrita por Nonsa Ledusa)?

É uma peça linda, encantadora, afetuosa e desarmante sobre alguém lembrando o irmão e o quanto eles precisavam e adoraram esse par de sapatos legais. Se chama “Shoes” (Sapatos). É um tipo de detalhes de como eles economizaram todo o seu dinheiro para aqueles sapatos e como eles se sentiam como um milhão de dólares quando eles estavam usando aqueles sapatos – ou tênis, como vocês os chamam – e como eles se tornaram um evento edificante na vida da família quando eles finalmente compraram os sapatos. Então, como esses sapatos finalmente, como símbolo de status, levou a sua morte também. É uma história bastante afetuosa e triste no final. O que é realmente incrível sobre isso é a pessoa que escreveu, fez um olhar tímido sobre a história de que ela está contando que ela parece tão forte, tão claramente – o amor e as alegrias que eles tiveram para seu irmão, mas, ao mesmo tempo, essa raiva do mundo por destruir seus sonhos e por matá-lo por ter um sonho, quando esse sonho é realmente nada mais do que um par de tênis.

Danny Boyle está dirigindo todo esse evento. Como é trabalhar com ele novamente e testemunhar ele supervisionando todas essas peças em movimento?

A coisa é, Danny ama fazer o que ele faz. Danny ama dirigir. Ele não é apenas bom nisso, mas investe nisso. Se ele tivesse mais tempo conosco, ele estaria nos dirigindo muito mais. O fato é que ele tem que passar, eu não sei quantos artistas realmente em um dia. Então você não ganha tanto tempo com Danny, para ser honesto… Ele fica 10 ou 15 minutos com você, mas 10 ou 15 minutos com Danny Boyle pode ser como ter uma semana com outro diretor. Ele tem um talento especial e ele tem muitas ferramentas, bem como suas habilidades instintivas e seus talentos naturais. Ele tem muitas ferramentas como diretor de teatro, como diretor de televisão e como diretor de cinema, mas ele é apenas um contador de histórias. Sua compaixão realmente brilha ao longo de uma performance, especificamente [um] como este, onde a compaixão é tão importante.

E a sua experiência em 2015 fez você querer voltar esta vez?

Independentemente da experiência, mesmo que tenha sido uma experiência infernal, o que não foi, ainda seria uma boa idéia fazer. É uma grande instituição de caridade que precisa ser apoiada e, por causa do que faz, nos torna pessoas ideais para apoiá-la. Sabe, eu entendo, você sempre pede pessoas famosas ou celebridades ou atores para apoiar qualquer instituição de caridade e é o que é certo. Use o sucesso de seu filme para fazer algo bom – é claro, isso é bom. Esta instituição de caridade particular, o que fazemos como uma vida, o que fazemos para ganhar dinheiro, usa isso para realmente ajudar as pessoas. Então, parece ser ainda mais fácil para emprestar nosso tempo e uma pequena quantidade de esforço.

Estas são algumas das peças de escrita mais profundas, divertidas e engraçadas que já tive a honra de realizar ou ouvir e assistir por alguns dos atores mais incríveis que você conseguirá dividir um palco. Portanto, além do fato de que é um trabalho fácil em termos da quantidade de tempo que você tem que ceder e da quantidade de bem que isso faz, também é um evento artístico incrível. Artisticamente falando, para ser envolvido ou para ser membro da platéia, não vou dizer uma vez na vida, claramente não é um evento único na vida, mas não é todo o dia que você tem esse nível de talento, tanto na página como no palco.

Por que você acha que é importante que essas crianças contem suas histórias e que a platéia as ouça?

Em termos gerais, é importante que qualquer um de nós se sinta ouvido. É importante para nós desabafar e retransmitir e relacionar as coisas ruins que nos aconteceram em nossas vidas. Isso é sempre o caso, mas quando se trata de algumas tragédias e traumas e as coisas ruins que nos acontecem em nossas vidas, torna-se ainda mais importante ser ouvido. E, claro, você está falando sobre pessoas para quem é muito difícil ser ouvido. É muito difícil articular, antes de tudo, e, quando você tem a habilidade de articular, é difícil encontrar uma plataforma para ser ouvida. Uma organização como a Dramatic Need ajuda as pessoas a encontrar essa plataforma em seu próprio bairro, em seu próprio país. Ao fazer eventos como este, podemos tomar essa plataforma e podemos ampliar esse horizonte. Podemos tornar essa plataforma maior e podemos alcançar um público diferente.

Por que é importante que nos ouçamos? Porque faz parte do processo de cura. Quando você relaciona suas tragédias e seus traumas, você é humano. E você não pode fazer isso se não tiver a capacidade de articular e é por isso que a arte é importante, não é? Porque nos ajuda a articular como nos sentimos. É por isso que penso que é importante, afinal. Por que é importante para o público se sentar e ouvir essas incríveis peças de escrita? Porque é parte da experiência humana compartilhar e simpatizar. Além disso, eles têm muito dinheiro para que eles possam ajudar as pessoas menos afortunadas esperançosamente para melhorar sua vida.

Deixe uma resposta